Queda de cabelo (alopecia androgenética)

 

alopecia

Perder o cabelo pode ser tornar uma experiência frustrante, para muitas pessoas.

Felizmente, os tratamentos estão disponíveis para ajudar o cabelo a crescer ou impedir a perda de cabelo adicional.

 

Causas da perda de cabelo na alopecia androgenética 

O folículo piloso é uma estrutura que encaixa a parte inferior do eixo do cabelo. Cada folículo contém vasos sanguíneos que nutrem o crescimento do cabelo novo. Todos os folículos pilosos estão presentes no nascimento. Ao longo da vida, cada folículo cresce, formando cabelos em um ciclo repetitivo.

● A fase de crescimento para um único cabelo novo dura em média dois a três anos.
● No final deste período, o crescimento cessa e o folículo entra numa fase de repouso.
● Após três a quatro meses na fase de repouso, o cabelo cai e o próximo ciclo de crescimento começa.
Em um couro cabeludo normal, aproximadamente 80 a 90 por cento dos folículos estão em crescimento a qualquer momento. Cada dia, são perdidos cerca de 75 fios de cabelo, enquanto o mesmo número entra em uma nova fase de crescimento.

Em homens com alopecia androgenética, hormônios relacionados à testosterona (também chamados andrógenos) levam os folículos pilosos a uma fase de crescimento mais curta do que o normal, resultando em grupos de cabelo que são anormalmente curtos e finos. Estes folículos são considerados “miniaturizados”.

É geralmente considerado que o fator genético influencia fortemente o desenvolvimento da alopecia androgenética nos homens.

A genética também parece desempenhar um papel no risco de alopecia androgenética em mulheres, embora outros fatores (alguns dos quais permanecem desconhecidos) também podem ser importantes. Como exemplo, níveis anormais de andrógenos no sangue são a causa da alopecia androgenética em uma minoria de mulheres.

 

Pesquisas adicionais são necessárias para proporcionar uma melhor compreensão do papel da genética e outros fatores na alopecia androgenética.

 

 

Sintomas de perda de cabelo –

pente com queda de cabelo

Homens e mulheres experimentam alopecia androgenética com freqüência parecida, embora seja mais leve nas mulheres e mais fácil de disfarçar a perda dos cabelos.

Nos homens, a alopecia androgenética caracteriza-se pelo gradual afinamento do cabelo que afeta mais frequentemente a coroa e as áreas frontais do couro cabeludo. Em muitos homens,  um padrão de cabelo em forma de M se desenvolve. O cabelo em áreas afetadas pela perda de cabelo pode ser de vários comprimentos e espessura, e a presença de comprimentos e espessuras irregulares é um sinal clássico de perda de cabelo de padrão masculino.

Nas mulheres a perda de cabelo é um pouco mais difusa do que nos homens e raramente experimentam perda de todos os seus cabelos.

 

 

DIAGNÓSTICO DA PERDA DE CABELO –

A alopecia androgenética geralmente pode ser diagnosticada através de história médica e examinando o couro cabeludo através da tricoscopia.

Em alguns casos, você vai precisar de exames de sangue para procurar outras causas de perda de cabelo, como mudanças nos níveis hormonais, níveis baixos de ferritina (anemia ou diminuição da reserva de ferro) ou problemas de tireóide.

 

 

IMPACTO PSICOSOCIAL DA PERDA DE CABELO –

O impacto psicossocial da perda de cabelo pode ser grave para algumas pessoas, especialmente para as mulheres, uma vez que há pouca compreensão ou aceitação da condição. Tanto mulheres como homens podem ter dificuldade com questões de baixa auto-estima ou de sentimento pouco atraente.

Se você está tendo dificuldade com o impacto psicossocial de perder seu cabelo, fale com um profissional de saúde sobre seus sentimentos. Os profissionais podem oferecer suporte e dicas sobre revestimentos cosméticos.

 

 

TRATAMENTO DE PERDA DE CABELO –

Há uma grande diversidade para tratamento capilar.

Em particular, dois medicamentos, minoxidil e finasterida, estão disponíveis para tratar a queda de cabelo de padrão masculino em homens. As mulheres podem ser tratadas com minoxidil ou um medicamento chamado espironolactona. Ocasionalmente, a finasterida é utilizada em mulheres que não respondem a outras terapias, mas são casos de exceção.

Opções cirúrgicas também podem ser consideradas em alguns casos.

 

Minoxidil –

Minoxidil promove o crescimento do cabelo, alongando a fase de crescimento dos folículos pilosos e estimulando mais folículos para produzir cabelo. Os cabelos que são produzidos tendem a ser maiores e mais grossos.

Como aplicar Minoxidil é um tratamento de couro cabeludo, não um tratamento de cabelo. Um mililitro do líquido ou espuma deve ser aplicado às áreas afetadas do couro cabeludo usando um conta-gotas ou um dispositivo pulverizador. A solução deve ser levemente espalhada sobre a área afetada com um dedo. As pessoas que usam minoxidil devem ter um couro cabeludo normal e saudável.

Resultados – Minoxidil deve ser utilizado durante pelo menos seis meses para determinar se é eficaz. Quando é eficaz, você geralmente começa a perder menos cabelo dentro de dois meses após o início do tratamento, e por quatro a oito meses o cabelo começa a crescer. Os efeitos do minoxidil geralmente se estabilizam após 12 a 18 meses de uso.

O tratamento com minoxidil deve ser continuado indefinidamente. Se for descontinuado, qualquer cabelo que tenha sido mantido ou regenerado como resultado da medicação será perdido.

Nem todas as pessoas se beneficiam com o minoxidil. Os melhores resultados são observados quando a calvície está presente há menos de cinco anos, quando afeta a coroa (parte superior) da cabeça, e quando a área de perda de cabelo é menor que 10 centímetros de diâmetro. Estudos têm demonstrado que 30 a 40 por cento dos homens e mulheres com perda de cabelo na coroa, têm resultados significativos com minoxidil.

Efeitos secundários – Minoxidil provoca poucos efeitos secundários. Ocasionalmente, a pele do couro cabeludo pode ficar vermelha ou irritada, causando prurido. Efeitos colaterais podem ocorrer se o minoxidil for absorvido por rachaduras ou cortes no couro cabeludo. As pessoas com história de doença cardíaca, em particular, devem ter precaução com os efeitos colaterais sistêmicos, como aumento da freqüência cardíaca, inchaço nas mãos ou pés ou ganho de peso.

 

 

Finasterida –

Finasterida é uma pílula que diminui a produção de um dos hormônios associados com alopecia androgenética, resultando em diminuição da queda e um aumento da quantidade de cabelo no couro cabeludo.

Os homens podem tomar finasterida por boca 1x por dia. Os efeitos secundários podem incluir fraqueza e tonturas. Doses mais elevadas de finasterida (como aquelas usadas para tratar algumas condições da próstata) podem causar efeitos colaterais incluindo disfunção erétil e diminuição do desejo sexual. No entanto, tais efeitos secundários raramente são vistos com a dose baixa utilizada para tratar a perda de cabelo.

Finasterida não é seguro para uso em mulheres que podem engravidar por causa de preocupações com o desenvolvimento de genitália anormal no feto masculino. Estas mulheres não devem sequer tomar pílulas de finasterida. Finasterida não foi aprovada para ajudar a crescer o cabelo na maioria das mulheres. No entanto alguns especialistas selecionam algumas pacientes em casos excepcionais.

 

 

Espironolactona – A espironolactona também antagoniza a ação de hormônios que contribuem para a alopecia androgenética. As mulheres com alopecia androgenética que não respondem ao minoxidil podem se beneficiar da adição de espironolactona, através de recomendação médica.

Os efeitos colaterais potenciais incluem tonturas, sonolência, sensibilidade mamária e níveis elevados de potássio no sangue. Os pacientes devem conversar com seu médico  sobre possíveis efeitos colaterais antes de tomar espironolactona.

Como a finasterida, a espironolactona não deve ser tomada durante a gravidez. As mulheres que são capazes de engravidar devem usar contracepção confiável ao tomar esse medicamento.

 

 

Laser – Aprovado para alguns tipos de alopecia androgenética masculina e feminina, age estimulando o crescimento dos fios de cabelo.

 

 

Cirurgia – Para alguns pacientes, o tratamento cirúrgico da perda de cabelo pode ser uma opção. Opções cirúrgicas incluem transplante de cabelo, em que os folículos saudáveis de outras partes do couro cabeludo são transplantados para áreas afetadas pela calvície. Redução do couro cabeludo é outro procedimento às vezes realizado. Na redução do couro cabeludo, remendos calvos do couro cabeludo são removidos e a pele restante é costurada em conjunto.

 

Tratamentos alternativos:

Intradermoterapia

A intradermoterapia consiste na aplicação de substâncias como minoxidil, finasterida diretamente no couro cabelulo; ou substâncias como fatores de crescimento e vitaminas.

Outros procedimentos de estímulo de crescimento incluem o uso de microagulhamento capilar e carboxiterapia.

 

Posts relacionados:

Alopecia Areata – Visão Geral

Dermatite seborréica

Medicamentos que podem causar queda de cabelo

 

Revisão da literatura atual: Feb 2017

rafaelotsuzi.com.br

Alopecia Areata – Visão Geral

for-web-alopecia-areata-calva-area-sin-pelo

Alopecia areata é uma doença que provoca uma perda súbita de grupos de cabelos. Na maioria das pessoas, os cabelos crescem novamente, embora esse processo possa levar meses. Aproximadamente 50% dos pacientes com alopecia areata se recuperam dentro de um ano, mas novos episódios podem ocorrer ao longo da vida.

Cerca de uma pessoa a cada 50 sofrerá de alopecia areata em algum momento de sua vida. Ocorre igualmente em homens e mulheres de todas as etnias. A alopecia areata pode se desenvolver em qualquer idade, porém é mais frequente que apareça pela primeira vez antes dos 30 anos de idade.

Alopecia areata não é uma doença que ameaça a vida e não causa dor física. No entanto, os efeitos estéticos da perda de cabelo podem ser devastadores para alguns pacientes.

Continue lendo

Dermatite Atópica – Eczema

VISÃO GERAL – ECZEMA 

eczema-01-grande

A dermatite atópica, também conhecida como eczema, é um problema de pele que causa pele seca, pruriginosa, escamosa e vermelha. Pode ocorrer em bebês, crianças e adultos, e parece ser mais comum em certas famílias. O eczema pode ser tratado com hidratantes e pomadas e alguns medicamentos.

 

QUAIS AS CAUSAS DO ECZEMA? 

A causa do eczema não é completamente compreendida, embora os fatores hereditários parecem desempenhar um papel importante. Na maioria das pessoas, a dermatite atópica é causada por uma disfunção genética na camada mais externa da pele (a epiderme). A epiderme é a primeira linha de defesa entre o corpo e o meio ambiente. Quando a epiderme está intacta, mantém irritantes ambientais, alérgenos e micróbios protegidos de entrar no corpo.

Apesar da crença popular, em crianças, o eczema raramente está ligado a alergias alimentares. Se houver uma suspeita de alergia alimentar, a criança deve ser avaliada por um especialista em alergias.

 

QUAIS OS SINTOMAS DO ECZEMA?

A maioria das pessoas com eczema desenvolve seus primeiros sintomas antes dos cinco anos de idade. A coceira intensa da pele, manchas de vermelhidão, pequenas protuberâncias e descamação da pele são comuns. Coçar a pele pode causar inflamação cutânea adicional, o que pode piorar ainda mais o prurido. A coceira pode ser mais notável durante a noite.

As características do eczema variam de um indivíduo para outro e podem mudar ao longo do tempo. Embora o eczema seja geralmente confinado a áreas específicas do corpo, pode afetar várias áreas em casos graves:

● Em lactentes, pode haver áreas vermelhas, escamosas e crostas na frente dos braços e pernas, bochechas ou couro cabeludo. A área da fralda geralmente não é afetada.

● Em crianças e adultos, o eczema geralmente afeta a parte de trás do pescoço, o cotovelo e a parte de trás dos joelhos. Outras áreas afetadas podem incluir o rosto, os punhos e os antebraços. Com o passar dos tempos, a pele pode ficar engrossada e escurecida, ou mesmo com cicatrizes, por raspagens repetidas.

A pele também pode ser infectada como resultado de arranhões. Os sinais de infecção incluem choques vermelhos dolorosos que às vezes contêm pus; um médico deve ser consultado se isso ocorrer.

eczema 02

Outros achados em pessoas com eczema podem incluir:

● Pele seca e escamosa
● Folículos capilares enrolados que provocam pequenas protuberâncias, geralmente no rosto, nos braços e nas coxas
● Maior aumento da pele nas palmas das mãos e / ou uma dobra extra da pele sob o olho
● Escurecimento da pele ao redor dos olhos

 

COMO SE FAZ O DIAGNÓSTICO DE ECZEMA?

Não há teste específico usado para diagnosticar eczema. O diagnóstico geralmente é baseado na história médica e no exame físico de uma pessoa.

Fatores que sugerem fortemente eczema incluem prurido de longa data e recorrente, histórico pessoal ou familiar de condições alérgicas e uma idade precoce quando os sintomas começaram. Outros fatores incluem sintomas agravados após exposição a determinados gatilhos ou a qualquer dos achados da pele observados acima.

 

 

COMO É O TRATAMENTO DO ECZEMA?

O eczema é uma condição crônica.

Normalmente melhora e depois piora periodicamente. Algumas pessoas não apresentam sintomas durante vários anos. O eczema não é curável, embora os sintomas possam ser controlados com uma variedade de medidas de autocuidado e terapia medicamentosa.

 

Quem trata o eczema? 

Muitos pacientes com dermatite atópica podem inicialmente ser tratados pelo seu próprio médico (pediatra, clínico, entre outros). No entanto, um especialista em pele (dermatologista) pode ser recomendado em certas situações, como se a condição não melhorar com o tratamento, se certas áreas do corpo estiverem afetadas (rosto ou dobras de pele) e se outra condição oculta puder ser a causa dos sintomas.

 

Tratamento – Eliminar fatores agravantes

A eliminação de fatores que pioram o eczema pode ajudar a controlar os sintomas. Fatores agravantes podem incluir:

● Calor, transpiração, ambientes secos
● Estresse emocional ou ansiedade
● Mudanças rápidas de temperatura
● Exposição a determinados produtos químicos ou soluções de limpeza, incluindo sabões e detergentes, perfumes e cosméticos, lã ou fibras sintéticas, poeira, areia e fumaça de cigarro.

 

Tratamento – Manter a pele hidratada

Emolientes – Emolientes são cremes e unguentos que hidratam a pele. Os melhores emolientes para pessoas com dermatite atópica são cremes espessos (como Eucerin, Cetaphil e Nutraderm) ou pomadas (como vaselina ou aquaphor), que contêm pouca ou nenhuma água. Os emolientes são mais eficazes quando aplicados imediatamente após o banho. Os emolientes podem ser aplicados duas vezes por dia ou, mais frequentemente, se necessário. Loções contém mais água do que cremes e unguentos e são menos eficazes para hidratar a pele.

eczema-pomada

Banhos – Não está claro se banhos contribuem para manter a pele hidratada. Banhos ou chuveiros quentes podem hidratar e esfriar a pele, aliviando temporariamente a coceira do eczema. No entanto, banhos quentes ou longos (maior que 10 a 15 minutos) e chuveiros devem ser evitados, pois podem ressecar a pele.

Um sabão sem perfume, suave ou não solvente (como Cetaphil) deve ser usado com moderação. Um emoliente deve ser aplicado imediatamente após o banho para evitar que a pele seque como resultado da evaporação da água.

Em alguns casos, os profissionais de saúde podem recomendar banhos de alvejante diluídos para pessoas com eczema. Estes banhos ajudam a diminuir o número de bactérias na pele que podem causar infecções ou piorar os sintomas.

 

Como tratar a irritação da pele?

Esteroides tópicos – Os cremes e pomadas de esteróides (corticosteróide) podem ser recomendados para controlar dermatite atópica leve a moderada. Os cremes e pomadas de esteróides estão disponíveis em uma variedade de potências. É sugerido que um médico recomende a potência e duração do uso.

Os cremes ou pomadas de esteróides são geralmente aplicados à pele uma ou duas vezes por dia. Esses ajudam a reduzir os sintomas e hidratar a pele. À medida que a pele melhora, um emoliente hidratante pode ser retomado.

Esteróides tópicos fortes podem ser necessários para controlar inflamações graves do eczema; No entanto, estes devem ser usados apenas por curtos períodos de tempo para evitar a atrofia e outros danos na pele.

Outros tratamentos de pele – Tratamentos de pele mais recentes para eczema incluem tacrolimus (Protopic) e pimecrolimus (Elidel). Esses são eficazes no controle do eczema, embora não funcionem tão rapidamente quanto os esteróides tópicos. Eles são úteis em áreas sensíveis, como o rosto e as virilhas, e podem ser usados em crianças com mais de dois anos de idade. Devido a preocupações de segurança, esses tratamentos só devem ser usados conforme instruído por um profissional de saúde.

Esteroides orais – Os esteróides orais ocasionalmente são usados para tratar um alargamento grave do eczema, embora este tratamento geralmente não seja recomendado de rotina devido a efeitos colaterais potenciais.

1337105101_medicamentos03

Terapia de luz ultravioleta (fototerapia) – A terapia de luz ultravioleta (fototerapia) pode efetivamente controlar a dermatite atópica. No entanto, esta terapia é dispendiosa, pode aumentar o risco de câncer de pele de uma pessoa e, portanto, é recomendado apenas para pessoas com eczema grave que não respondem a outros tratamentos.

Medicamentos imunossupressores – Drogas que enfraquecem o sistema imunológico podem ser recomendadas para pessoas com eczema grave que não melhoram com outros tratamentos. O tratamento com estas drogas pode causar efeitos colaterais graves, incluindo um risco aumentado de infecção.

Medicamentos injetáveis – A medicação “biológica” injetável dupilumab, que visa o sistema imunológico, pode ser benéfica para o tratamento da dermatite atópica. Devido ao seu alto custo e potenciais efeitos colaterais, esse medicamento é reservado para adultos com dermatite atópica grave que não respondeu a outros tratamentos.

 

Como controlar a coceira?

 

Anti-histamínicos orais – Os anti-histamínicos orais, conhecidos popularmente podem ajudar a aliviar a coceira. Basicamente existem os anti-histamínicos sedativos (que tem o efeito colateral de causar sono) e os anti-histamínicos que não causam sonolência.

Tecidos úmidos – Tecidos molhados podem ajudar a aliviar e hidratar a pele, reduzir a coceira e a vermelhidão, afrouxar as áreas crostas e evitar ferimentos na pele devido a riscos.

Atualizado em Julho de 2017

Fonte: uptodate

Traduzido por Dr. Rafael Otsuzi  Site Dr Rafael Otsuzi

 

 

Suplementos vitamínicos – Texto básico

Informações educacionais para paciente – Texto Básico sobre suplementos vitamínicos

web-antibioticos

O que são vitaminas? 

Vitaminas são substâncias encontradas nos alimentos. A maioria das vitaminas são substâncias que o corpo não pode fazer por conta própria, mas que necessita para funcionar bem.

Os suplementos vitamínicos são pílulas, cápsulas ou líquidos que possuem vitaminas. Os suplementos são outras fontes (além do alimento) que as pessoas podem obter vitaminas.

 

Devo tomar suplementos vitamínicos? 

Continue lendo

Rosácea

rosacea

Rosácea é um distúrbio da pele que causa vermelhidão e lesões vermelhas nas bochechas, nariz, queixo, testa ou pálpebras. É uma condição de longo prazo que piorará ao longo do tempo se não for tratada. Ela acontece com maior frequência em adultos de 30 a 60 anos.

 

Quais são os sintomas?

A rosácea afeta bochechas, nariz, queixo, testa ou pálpebras. Os sintomas incluem:

  • Vermelhidão
  • Ruborização fácil
  • Lesões vermelhas com ou sem pus (podem se parecer com acne, mas não são acne)
  • Pequenos vasos sanguíneos inchados na pele (chamados de ” telangectasia”)
  • Uma sensação de ardência ou areia nos olhos
  • Nariz vermelho, inchado e arredondado

Às vezes, os sintomas estão sob controle. Outras vezes, os sintomas pioram e desencadeiam crises. Crises geralmente são causadas por gatilhos, que são situações que pioram os sintomas.

Gatilhos comuns incluem:

  • Comer alimentos quentes ou picantes ou beber bebidas quentes
  • Beber álcool
  • Excesso de calor ou frio
  • Luz solar
  • Estresse e outras emoções fortes

 

Existe um teste para rosácea?

Não há teste. Mas seu médico deve ser capaz de dizer se você possui rosácea, aprendendo sobre seus sintomas e fazendo um exame físico.

 

Qual é o tratamento?

O tratamento para a rosácea tem duas partes. O tratamento não cura a rosácea, mas ajuda a controlar os sintomas e a evitar crises.

O tratamento envolve ambos:

1 – Medicamentos – Os médicos podem usar diferentes medicamentos para tratar a rosácea. Os medicamentos podem vir como géis, cremes ou loções, que vão em sua pele, ou como pílulas orais. Você provavelmente precisará tomar ou usar medicamentos por um longo período de tempo.

2 – Mudanças de estilo de vida – Para ajudar a controlar seus sintomas e prevenir crises, você deve:

  • Evite os gatilhos comuns listados acima e quaisquer outros gatilhos que você conheça que piorem seus sintomas
  • Use limpadores de rosto suaves e sem perfume para lavar o rosto
  • Use protetor solar todos os dias
  • Evite usar produtos no seu rosto com álcool, ácido ou outros ingredientes que possam incomodar sua pele

 

E se meus sintomas forem graves ou não melhorarem?

Se seus sintomas forem graves ou não melhorarem com o tratamento, você provavelmente precisará consultar com um dermatologista (especialista em pele). O especialista conversará com você sobre outros possíveis tratamentos.

 

E se eu quiser engravidar?

Se você quiser engravidar, fale com seu médico. Alguns medicamentos para a rosácea não são seguros para tomar durante a gravidez. O seu médico irá certificar-se de que o seu medicamento é seguro de tomar.

Triglicérides alto – Texto básico

O que são os triglicerídeos? 

HDL-DIETA

Os triglicerídeos são substâncias gordurosas no sangue. Todos os têm, mas algumas pessoas têm em quantidade excessiva, chamados de “triglicerídeos alto”.

Em comparação com as pessoas com níveis de triglicerídeos normais, as pessoas com níveis elevados de triglicerídeos podem ter maior risco de ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais e outros problemas de saúde.

Pessoas com triglicerídeos muito altos podem desenvolver inflamação no pâncreas (pancreatite). O pâncreas é um órgão que fabrica hormônios e fluidos para ajudar o corpo a quebrar os alimentos. Quando o pâncreas fica inflamado, pode causar sérios problemas de saúde.

 

Qual deve ser o meu nível de triglicerídeos?

Pergunte ao seu médico qual deve ser o seu nível de triglicerídeos. Em geral, os níveis são:

● Normal – menos de 150 mg / dL

● Pouco elevado – 150 a 199 mg / dL

● Alto – 200 a 499 mg / dL
● Muito alto – superior a 500 mg / dL
O que devo fazer se o meu médico me disser que eu tenho triglicerídeos elevados?

Pergunte ao seu médico qual é o risco total de ataques cardíacos e derrames. Ter níveis elevados de triglicerídeos é apenas uma das muitas coisas que podem aumentar o risco de ataques cardíacos e derrames. Você também está em maior risco se você:

● Fumar cigarros
● Ter pressão arterial elevada
● Estar acima do peso
● Tenha um pai ou mãe, uma irmã ou um irmão que tenham doença cardíaca em uma idade jovem (menores de 55 anos para homens e menores de 65 anos para mulheres).
● For um homem – As mulheres também estão em risco, mas os homens têm um risco maior.
● For mais velho
● Ter diabetes – Especialmente se você não consegue controlar bem o açúcar no sangue.
Devo tomar remédio para baixar meus triglicerídeos? 

Nem todos os que têm triglicerídeos altos precisam de medicamentos para diminuí-los. Seu médico irá decidir se você precisa de remédio. Depende da sua idade, história familiar e outras preocupações com a saúde. As pessoas que já têm uma condição chamada “doença cardíaca coronária” quase sempre precisam tomar medicamentos para triglicerídeos elevados.

Os medicamentos podem incluir:

● Medicamentos para diminuir os níveis de triglicerídeos – Estes incluem fenofibrato (nomes de marca da amostra: Antara, Fenoglide), ácido nicotínico (marcas de amostra: Niacor, Niaspan) ou óleo de peixe (marca: Lovaza).
● Estatinas – Estes medicamentos podem reduzir o risco de ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral. Eles são usados ​​para reduzir os níveis de colesterol no corpo. Muitas pessoas com altos níveis de triglicerídeos também têm colesterol alto.
O medicamento que você toma dependerá dos níveis de triglicerídeos e outros fatores. Se seus triglicerídeos são muito altos, você precisará de mais de um medicamento.

 

Posso baixar meus triglicerídeos sem medicamentos? 

Sim, você pode baixar os triglicerídeos altos, algumas medidas são:

web-como-comecar-o-exercicio

● Perder peso (se você está acima do peso)
● Faça exercícios regulares
● Evite alimentos e bebidas com muito açúcar e carboidratos – estes incluem pão branco, suco de frutas, refrigerante e doces.
● Evite a carne vermelha, manteiga, alimentos fritos, queijo, óleos e nozes – Isso pode ajudar se seus triglicerídeos são mais de 500.
● Limite o álcool – Em você é um homem, tome somente 2 ´´doses´´ por dia ou menos. Se você é mulher, tome somente 1 ´´dose´´ por dia ou menos. Se os seus triglicerídeos tiverem mais de 500, pergunte ao seu médico se é seguro beber álcool.

#Publicado em Junho de 2017

Sobre Dr. Rafael Otsuzi

Infecção do trato urinário

 

O trato urinário inclui os rins (que filtram o sangue para produzir urina), os ureteres (tubos que transportam a urina dos rins para a bexiga), a bexiga (que armazena a urina) e a uretra (tubo que transporta a urina da bexiga para fora).

endometriose

As infecções do trato urinário acontecem quando as bactérias entram na uretra e chegam até a bexiga. Se a infecção permanece apenas na bexiga, é chamada de “cistite”. Se a infecção se desloca acima da bexiga até os rins, é chamada de infecção renal ou “pielonefrite”.

Continue lendo

Conjuntivite

A conjuntiva é a fina membrana que reveste a superfície interna das pálpebras e os brancos dos olhos (chamada de esclera). Quando a conjuntiva fica inflamada ocorre o que os médicos chamam de conjuntivite.

Conjuntivite pode afetar crianças e adultos.

Os sintomas mais comuns de conjuntivite incluem um olho vermelho e lacrimejamento.

Continue lendo